terça-feira, 7 de abril de 2015

Regional Norte promove primeiro Fórum de saúde Mental de 2015



Para discutir assuntos pertinentes a saúde mental, o colegiado de saúde mental da Regional Norte, realizou no dia 1º de abril, o Fórum de Saúde Mental. O evento aconteceu no auditório da Regional Norte, rua Pastor Muryllo Cassete, 85, bairro São Bernardo e reuniu cerca de 100 profissionais das unidades básicas de saúde, trabalhadores da rede de saúde mental, equipes de saúde da família, de educação e de assistência social, onde foram discutidos pontos relevantes como o atendimento de urgência de saúde mental, suas diversas manifestações, incidências clinicas, aspectos subjetivos entre outros. 

A psicanalista membro da Escola Brasileira de Psicanalise e integrante da equipe clinica do CERSAM-OESTE, Helenice Saldanha de Castro, ministrou a palestra ‘Crise e Urgência’. A psicanalista apresentou duas vertentes que devem ser observadas pelos profissionais de saúde mental no momento da realização dos atendimentos. “É preciso saber distinguir o quadro que é considerado universal do que é singular. Ou seja, existem problemas que são comuns para todos que sofrem com a doença, já outros, são exclusivos de cada pessoa. Portanto, é possível definir se a crise é de urgência ou não analisando esses dois fatores adversos”, ressaltou. 

Na ocasião a diretora do CERSAM-NORTE, (rua Furquim Werneck, 125, Guarani), Vanessa Wilke, apresentou o novo serviço de saúde mental da Regional Norte. O CERSAM-N conta com seis consultórios, sala de observação, posto de enfermagem, farmácia, sala de plantão, salas comunitárias, piscinas, vestiários, banheiros adaptados, salas para descanso e reunião, e ainda quatro leitos para pacientes que necessitarem dormir na unidade.
São 56 profissionais de diversas áreas, como psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, enfermeiros e farmacêuticos. O CERSAM é aberto todos os dias, com plantão de acolhimento de 07 às 13h e 13h às 19h. Atualmente atende em média 60 usuários por dia, sendo mais de 500 com prontuário local. “O CERSAM se organiza, na sua lógica de trabalho, em seis micro áreas. Nós contamos com profissionais de várias especialidades para oferecer um serviço de qualidade à população. Nós trabalhamos com a priorização que remete a missão da clínica, a identificação do estado em que o sujeito se encontra é o que define a permanência dele dentro do CERSAM ou o encaminhamento para um centro de saúde”, explicou. 

De acordo com Vanilza Rodrigues dos Santos, referência técnica em saúde mental da Regional Norte, o fórum de Saúde Mental é um espaço que possibilita o encontro dos profissionais envolvidos. “É uma oportunidade que temos para reunir profissionais da saúde mental, que é uma política complexa, pois tratamos pacientes muitos graves, em sofrimento mental intenso”, afirmou. 

Ela destacou também, a intenção de realizar o evento a cada trimestre, com o intuito de aprimorar ainda mais o atendimento. “O Fórum é reconhecido como um espaço de capacitação, um momento de reflexão do nosso trabalho, do nosso cotidiano e da nossa articulação em rede. Nós fazemos uma programação prévia e divulgamos, tanto para os profissionais da saúde, das unidades de saúde, da educação e da assistência social”, disse. 

A diretora do CERSAM-N também destacou a importância da discussão do atendimento de saúde mental. “O fórum visa sensibilizar toda a rede da regional Norte para a questão do sujeito em sofrimento mental na sua situação de crise de urgência. Essa discussão serve como um espaço de qualificação do serviço e de reflexão sobre os cuidados com esse sujeito, pois lidamos com as pessoas que transitam por todos os serviços, seja de saúde, seja de políticas sociais”, pontuou. 

Além das palestras e dos debates que aconteceram durante o Fórum, houve ainda uma apresentação do Grupo Persona Grata, composto pelos usuários do Centro de Convivência do Providência e alunos das oficinas de música e teatro. O grupo apresentou uma performance cênica e musical criada e inspirada livremente na memória afetiva de seus participantes; são personagens que, com graça e sinceridade desfilam, cantam, recitam poesias e abrem-se para o mundo. 

A peça tem concepção e direção dos oficineiros Isaac Luiz Souza Santos e Manuela Carvalho Rebouças. A oficineira explicou a dinâmica do trabalho com usuários do serviço de saúde mental. “A peça é resultado das duas oficinas que misturam as linguagens. Nós vamos desenvolvendo o trabalho com eles e na medida em que se apresentam os resultados, organizamos as apresentações”, disse Manuela. Para Isac, a música tem o dom de libertar as pessoas e, por meio das apresentações, gera inserção social. “A música é que faz o movimento acontecer; o movimento da fala com a cena, com o ritmo corporal, com a expressão. É ela que traz a memória afetiva dos personagens e conduz a ação. E é essa música que mostra para a sociedade que a pessoa é completamente capaz de fazer as coisas: cantar, tocar, recitar, compor, como qualquer outra pessoa”, finalizou.


FONTE : Gerência Regional de Comunicação Social Norte(GERCOM-N)

Um comentário:

Claudio Gontijo disse...

Regional Norte

Parabéns pela página.

Se puderem visitem o Plenitude, blog reiniciado por um professor da PBH aposentado por laudo médico, atualmente morando no norte de Minas.

Ajudem-me a divulgá-lo.

Desejo muita alegria em sua jornada.

Cláudio J Gontijo

www.verevida.blogspot.com.br